quinta-feira, 23 de outubro de 2008

Carros Clássicos: Lotus 98T [Parte 2]

Novamente recebo um grande e-mail do leitor/colaborador, Sheldonn Reis.
Ele me mandou este excelente texto e estas magníficas fotos sobre a 'vida' do 98T/4.
Não viu a parte 1? Então clique aqui.
Fiquem com ele...

Lotus 98T parte II

Nos comentários que recebi por conta da postagem referente ao Lotus 98T muitos indagaram de onde tinha vindo o veículo. Venho nessa postagem solucionar de vez a questão a respeito da origem do modelo.

A história do Lotus Renault John Player Special 98T/4
O chassi nº 4 da Lotus Renault John Player Special 98T foi inaugurado no Grande Prêmio da Alemanha, no dia 27 de Julho de 1986, realizado no circuito Hockeinheimring e vencido por Nelson Piquet, que pilotava a Williams com o excelente motor Honda. A corrida inaugural do chassi nº 4 foi muito bem sucedida, pois o Ayrton terminou a prova na segunda colocação ficando “somente” 15’.437 atrás do primeiro colocado. O motivo da construção de um novo chassi para o veículo (lembrem-se que inicialmente foram construídos somente três exemplares, conforme expliquei no post anterior) foi o acidente sofrido pelo Ayrton na terceira volta do Grande Prêmio da França, realizado em Paul Ricard, no dia 06 de Julho do mesmo ano e vencido pelo leão Nigel Mansell, mostrando mais uma vez a força da equipe Williams Honda.

Ayrton Senna continuou utilizando o chassi nº 1 para provas de classificação e com esse equipamento conseguiu notáveis resultados, totalizando 8 pole positions ao longo de toda temporada que contou com 16 provas no total.

O Lotus JPS 98T4 foi guiado por Ayrton Senna nos últimos 7 Grandes Prêmios da temporada de 1986, largando na pole position em 3 ocasiões (GP da Hungria, Portugal e México), liderando 5 corridas e alcançando quatro bandeiradas, sendo duas em 2º (GP da Alemanha e GP da Hungria), uma em 3º (GP do México) e uma em 4º colocado (GP de Portugal). Esse modelo foi o Lotus mais potente de todos os tempos, alcançando a marca de 346.3 km/h na volta 53 do Grande Prêmio do México, realizado no Circuito Hermano Rodriguez, em 12 de Outubro do mesmo ano e vencido por Gerhard Berger com seu Benetton BMW. O Lotus JPS 98T/4 se aposentou na volta 43 do Grande Prêmio da Austrália realizado no Circuito de Adelaide em 26 de Outubro do mesmo ano e vencido pelo francês Alain Prost com seu McLaren-TAG com problemas no propulsor Renault Turbo e entrou para história tornando-se o último Lotus John Player Special a disputar um campeonato depois de 14 anos de patrocínio da marca Inglesa de cigarros.

O 98T/4 foi então vendido a um promissor colecionador dos Estados Unidos enquanto uma nova fábrica de motores para automóveis de corridas fora montada por Bruno, o então Engenheiro Chefe da Renault Sports. O veículo foi mantido na coleção sob condições severas de controle de umidade e foi regularmente conservado até retornar ao Reino Unido no ano 2000, oportunidade na qual fora enviado ao Team Lotus para minuciosa inspeção.

A caixa de marchas foi reconstruída, o sistema de aquecimento de água do motor foi montado ao longo de um novo sistema de detonação e todo o resto do veículo foi recuperado afim de que este ficasse pronto para retornar às pistas. O carro foi muito bem sucedido em testes no circuito de Hethel, logo após, no templo da velocidade, Silverstone, e por fim foi uma das estrelas do Festival da Velocidade de Goodwood (Goodwood Festival of Speed).

Um fato bastante interessante a cerca dos testes realizados no Lotus JPS 98T/4 depois de ter sido recuperado foi o depoimento de Nigel Mansell, que guiou o veículo em Silverstone por 6 voltas; ao sair do 98T/4 foi perguntado por Murray Walker (famoso narrador inglês que acompanha há muitos anos o circo da Fórmula 1) se poderia haver comparação entre aquele modelo e outros Lotus que o próprio Mansell já havia pilotado. Mansell visivelmente emocionado respondeu que aquele exemplar foi o melhor Lotus que ele já havia guiado e por isso, naquele momento, ele compreendera por que o Ayrton conseguiu ser tão bem sucedido com aquele modelo.

O veículo se apresentou novamente, desta vez em Goodwood no ano de 2002. O 98T/4 também foi uma das estrelas do Memorial Ayrton Senna em Donnington, Inglaterra em Julho de 2003, oportunidade na qual foi pilotado por 23 voltas inteiras sem qualquer problema mecânico e ainda se apresentou pela quarta vez em Junho 2004 e vem regularmente participando de vários eventos relacionados a Fórmula 1. O 98T/4 está sob os cuidados técnicos do renomado engenheiro Martin Roy, que trabalhou juntamente com Ayrton Senna durante a temporada de 1986.

Em 2003, a Brian James Trailer, empresa especializada na confecção de trailers, desenvolveu um trailer especial para transportar o 98T/4. Fora desenvolvido um jogo de tampas costuradas a mão que não permitiam a troca de ar no interior do trailer e o mantinha impermeável.

Somente quatro desses veículos foram produzidos; o 98T/4 foi o último da linha de montagem e também foi o último Lotus a ser pilotado por Ayrton Senna sob o belo patrocínio da John Player Special. Esse Lotus Renault bi-turbo produzia acima de 1.150 Hps a 13.000 Rpm, por isso é uma peça única na história tanto da Lotus quanto do Ayrton Senna, que o pilotou por mais de 4.345 km, e sempre será lembrado como um dos mais belos e potentes carros de formula 1 de todos os tempos.


















Lista de testes e GP's realizados pelo Lotus Renaut JPS 98T/4
















O Lotus Renaut JPS 98T/4 sendo apresentado no Festival da Velocidade de Goodwood em 2002


Ayrton Senna a bordo do seu Lotus Renaut JPS 98T/4 no GP da Austrália disputado no circuito de Adelaide


Nigel Mansell testando o Lotus Renaut JPS 98T/4 no circuito Silverstone na Inglaterra em 2001

8 comentários:

Germano disse...

por mais que ache esse carro bonito, prefiro o 99

Sheldonn Rêis disse...

De fato germano o Lotus 99 é um carro muito lindo mesmo. No futuro podemos fazer uma boa matéria a respeito desse outro belo exemplar da Lotus. Abraços meu caro!

Fernando Ringel disse...

e o mais legal de tudo foi que o Mansell bateu essa Lotus em Goodwood. KKKKK.
Mansell = Gênio.

Squa disse...

Amigo,
Na décima quinta foto, entre uma foto do volante e do motos, aparece uma foto com uma plaqueta gravado Senna, mas não consegui identificar do que se trata. O que é aquilo?

Herik disse...

Realmente, este carro é lindíssimo. E curiosamente foi ele um dos protagonistas da mais bela e incrível ultrapassagem registrada na F1, ocorrida na Hungria 86.

Sheldonn Rêis disse...

Meu caro Fernando Ringel, você está atento aos fatos. O Mansell cometeu essa loucura mesmo e o próximo post será exatamente sobre isso. Concordo com você quando dizes que o Mansell foi um gênio, louco diga-se de passagem, mas gênio mesmo. Abraços.

Meu caro Squa, tudo indica que aquilo era o pedal do acelerador do veículo, mas vou dar uma checada para passar a informação correta.

Meu caro Herik você está certíssimo. Esse veículo foi protagonista da batalha épica entre Piquet e Senna pela liderança do GP da Hungria de 1986. Detalhe que esse foi o GP inaugural na Hungria.

Corauci disse...

ola amigo, entrei em seu blog hoje e é muito bom, parabéns, gostaria de saber se vc tem interesse em uma troca de banner de blog, tenho um blog tb sobre f1 www.gpexpert.blogspot.com oq vc acha?

Anônimo disse...

Que Saudade!!! Lindo Carro. Esse carro é do tempo da verdadeira fórmula 1, que infelizmente não volta mais.
Sorte que temos seu site para nos matar a saudade. Parabéns!