segunda-feira, 11 de agosto de 2008

País da F1: Pilotos Austríacos

Uma grande sina recai sobre os ombros dos pilotos autríacos: Os acidentes
Mesmo tendo dois campeões mundiais, Jochen Rindt e Niki Lauda, a Austria é berço dos pilotos mais, se é que se pode se dizer, azarados da história.
Acompanhe a história de glóirias e infelicidades desses pilotos.

Gerhard Berger

Grande piloto autríaco.
Começou sua carreira pela ATS em 84, passa pela Arrows e Benetton, mas foi pela e Ferrari e McLaren que Berger mostrou todo seu talento. Foi duas vezes 3º colocado no mundial (88 e 94) de pilotos, em ambas pela equipe italiana. Encerrou sua carreira de volta a Benetton em 97, foi lá que ele obteve sua última de suas 10 vitórias.


Gerhard Berger na Benetton

Momento Trágico

Foi no GP de San Marino da Itália em 89, Berger perdeu o controle de sua arisca Ferrari e bateu violentamente contra o muro na curva Tamburello. Após o acidente sua ferrari começou a pegar fogo mas Berger, milagrosamenete, conseguiu escapar. As sequelas foram suas mãos queimadas.


Sua Ferrari em chamas logo após o acidente


Harald Ertl

Quase
sempre se mantendo em posições intermediárias no grid, Ertl foi um piloto mediano.
Estreou pela Hesketh em 75. Um fato curioso de Ertl, foi de, tentar e falhar na classificação para o GP de Monza em 78 usando dois carros de equipes diferentes, a Ensign e ATS.



Harald Ertl na ATS

Momento Trágico
Em 82 quando estava se preparando para correr na Renault 5 Turbo Cup, Ertl morre em um acidente aéreo na Alemanha. Ele viaja com toda sua família para sua casa de veraneio.


Modelo de avião no qual vitimou Ertl


Helmut Marko


Obteve maior sucesso nas corridas de Le Mans, onde foi campeão junto com van Lennep no famoso Porsche 917K Martini. Na F1, correu 9 corridas com um BRM e não marcou nenhum ponto, seu melhor resultado foi um 8º lugar na corrida de Mônaco em 72.


Helmut Marko na BRM

Momento Trágico

Nas primeiras voltas do GP da França de 72, um carro que vinha a frente de Marko, levanta uma pedra com os pneus e esta vai direto no capacete de Marko. Ele fica instântaneamente cego de seu olho esquerdo. Seu futuro no automobilismo se encerra por ali.


Capacete de Marko após a pedrada


Helmuth Koinigg

Curtíssima passagem de Koinigg pela F1. Tentou se classificar com a Brabham da Scuderia Finotto no seu GP caseiro em Österreichring 74, mas não conseguiu. No final do ano, consegue uma vaga na Surtees, mas...


Helmuth Koinigg na Surtees

Momento Trágico

No início da prova de Watkins Glen nos EUA em 72 , Koinnig escapa em uma curva e sua Surtees vai de encontro aos perigoséssimos guard-rails do circuito. Koinnig é decapitado instântaneamente.


Morte trágica de Koinigg, ele foi decapitado


Jo Gartner

Piloto de futuro da Austria. Gartner começou na F1 em 84 pela equipe Osella, e já no seu primeiro GP arrebentou, correu muito bem até seu motor Alfa ir as "cucuias". Em Monza chega em quinto, mas não pontua para a equipe pois, a Osella, só tinha inscrito um carro para a temporada.


Jo Gartner na Osella

Momento Trágico

Na Madrugada das 24 horas de Le Mans de 86, o Porsche de Gartner tem problemas na Mulsanne, seu carro bate violentamenete contra o guard-rail e faz o carros ricochetear de um lado para o outro. Jo Gartner morre no local.


Gartner momentos antes da largada


Jochen Rindt

Jochen foi um dos maiores pilotos de todos os tempos. Estreia em 64 com uma Brabham particular, de 65 a 68 corre pela Cooper e Brabham, mas é a partir de 69 que sua carreira deslancha, pela Lotus, consegue sua primeira vitória e termina em 4º o mundial.
Em 70, teve como companheiro de equipe o brasileiro Emerson Fittipaldi e com sensacionais atuações, é campeão com 4 vitórias no ano.


Jochen Rindt na Lotus

Momento Trágico

Durante os treinos do GP Monza em 70, Rindt, para ganhar maior velocidades em reta, remove seu aerofólio traseiro. Por causa disso e de problemas nos freios, nas voltas finais do treino, Rindt perde o controle de sua Lotus antes do contorno da curva Parabólica e vai de encontro as barreiras. Como sua Lotus tinha formato de cunha, seu carro entrou de baixo do guard-rail matando quem seria o único campeão postumo da F1.


Exato momento da batida de Rindt


Karl Wendlinger

Estreiou na categoria no final do ano de 91, onde já participava da equipe
sauber de protótipos e da F3000.
Em 92 pela March, consegue seus primeiros pontos na F1, em 93 se muda para a Sauber onde continua sua evolução. Em 94, Karl pontua em 2 dos 3 primeiros GP's do ano, até...


Karl Wendlinger na March

Momento Trágico

... o GP de Mônaco. Tentando se manter firme na tábua de classificação, Karl bate violentamente no "S" da saida do túnel. Ele sofre uma grande pancada na cabeça. É levado inconsciente para o hospital, onde ficaria em coma por alguns dias. Wendlinger voltaria em 95 para a F1, mas sem o mesmo brilho.


Atendimento médico a Wendlinger em Mônaco


Niki Lauda

O maior piloto austríaco de todos os tempos. Esse é o tricampeão mundial Niki Lauda.
Lauda estreou na F1 em 71 pela March. Mas é na Ferrari que Lauda começa suas glórias. Em 74 consegue suas primeiras vitórias. Em 75 é campeão com dominio absoluto do ano. Provavelmente seria campeão em 76 não fosse o gravíssimo acidente em Nurburgring, fica com o vice por 1 ponto de diferença de Hunt. Em 78 e 79 tem uma passagem pela Brabham e anuncia sua aposentadoria. Mas em 82, a convite da McLaren, Lauda vai para o time inglês, e é lá que ele consegue o tão sonhado tri. Vence o campeonato de 84 por meio ponto. Se aposenta definitivamente da F1 em 85.



Lauda na McLaren

Momento Trágico

Durante a segunda volta do GP da Alemanha em Nurburgring em 76, a suspensão de sua Ferrari quebra, fazendo com que seu carro bata violentamente no muro e começe a pegar fogo. Preso nas ferragens, os assistentes de pista tem dificuldades de tirar Lauda das chamas. Ele sai com graves queimaduras pelo corpo e chega a receber a extrema unção no hospital.


Desespero dos fiscais e de Brett Lunger para tirar Lauda do carro


Roland Ratzenberger

Outro piloto autríaco com uma curtíssima carreira na F1. Ratzenberger estreou pela Simtek em 94. Com uma verdadeira cadeira elétrica nas mãos, Roland só conseguiu classificação para um GP, o do Pacifico. Fez somente esta corrida na carreira.


Roland Ratzenberger na Simtek

Momento Trágico

Fim de semana dos mais tenebrosos da F1. Nos treinos de qualificação para o GP de San Marino, A Simtek de Ratzenberger, com problemas na asa dianteira, bate violentamente na curva Villeneuve vitimando mais esse austriaco.


Simtek e seu fraquissimo chassi, a vulnerabilidade causou sua morte

9 comentários:

Germano disse...

Faltou o único austríaco a não se dar mal (relativamente) na F1...
Alexander Würz

Rianov Albinov disse...

Até pensei em colocar o Wurz, pois ele estreou antes de 98 (ano parâmetro para o F1nostalgia), mas como ele não se envolveu em nada grave, preferi não colocar.

Speeder_76 disse...

O Wurz tembém tem umas batidas com algum jeito... mas como dizes, não está no padrão da F1 Nostalgia.


Como dizes, ser austriaco é meio caminho andado para teres um acidente grave!

Rafael disse...

Ótimo Blog com histórias que vão alem do asfalto e de um periodo muito legal da F1,
Interessante as tragedias que perseguem os austricos, mas na verdade gostaria de tirar uma duvida,Mauricio Gugelmin esteve realmente perto da Williams em 1986??Li outro dia que ele era o piloto preferido de Frank para ser Test driver e assumir um dos carros em 87 ou 88??E em 1989 ele foi procurado pela Benneton para assinar contrato para 1990 mas ele não quis quebrar o contrato com a Leyton House??
Obrigado

RobertExpress disse...

perai o Ratzenberger nao se acidentou pq a asa traseira do seu simtek se soltou na curva villeneuve???

Rianov Albinov disse...

Rafael,

To por fora destes acasos

Robert,

Não, foi a asa dianteira que deu problema

Teddy disse...

Prezado Rianov. O Koinnig morreu no GP dos EUA de 1974, não o de 1972. Foi na corrida do bi-campeonato do Fittipaldi. No final ninguém deu muita bola pra tragédia do austríaco. Até o Dennis Hulme, que se despedia da F1 naquele GP, encheu a cara de birita... Outros tempos.

Teddy disse...

Só completando. Helmut Koinigg perdeu o controle do carro ( freios ou pneu estourado )na decida antes da entrada da curva 7 de Watkins Glen, também conhecida como " Toe of the Boot ", ou " Dedo da Bota ", por fazer parte do complexo do maior circuito possível da pista novaiorquina, chamado justamente de bota ( the boot ). Estranho é que essa curva é de média para baixa velocidade, só que é precedida por uma reta curta mas de grande velocidade final. Dizem que nos treinos daquela corrida, Regazzoni e talvez Jack Ickx tinham batido no mesmo local, até com mais velocidade que o austríaco. Questionaram então que os guard-rails poderiam ter sido abalados pelos impactos anteriores. Outro dado curioso é que o Surtees do austríaco atravessou três fileiras de cerca de proteção ( que deveriam segurar mais ainda a velocidade ), antes de destruir e as duas lâminas inferiores do guard rail de três,ivadindo-o por baixo como se percebe claramente na foto. Muito estranho todo o ocorrido.

INFORROCK disse...

Amigo, se não estou enganado, o Alexander Wurz, sofreu dos mais espetaculares acidentes da F1, quando sua Benetton "explodiu" quando abastecia, formando um COGUMELO DE BOMBA ATÔMICA em seguida.
acho que merecia uma citação sim.
abraços
MR. INFORROCK