terça-feira, 27 de julho de 2010

Mears mais rápido que Piquet? Fato!

1980
Rick Mears, Parmalat Racing Team
Brabham BT49, Ford Cosworth DFV 3.0 V8, Goodyear
Teste, Riverside International Raceway, Moreno Valley - Estados Unidos

(Clique para ampliar)
















Revirando minhas antigas revistas, vi um artigo em que Autosport relata o teste de Rick Mears, atual campeão da CART na época, na equipe Brabham. Lá, o editor americano da revista fez um grande relato.

A pista era a californiana de Riverside, foram 3 de dias de testes num espécie de Approuch da equipe para o GP de Long Beach de 1980. Nelson Piquet e o convidado Rick Mears andariam no BT49 equipado já com uma nova transmissão Weismann-MRD, mais rápida e durável que a anterior.

Os dois primeiros dias de testes ficaram a cargo de Nelson, no terceiro, instalaram chicanes em alguns trechos do circuito para o traçado ficar um pouco mais parecido com o que iriam encontrar em Long Beach.

Piquet andou de manhã, somente a tarde foi que Mears fez seu "debut" em um carro de Fórmula 1. Fiquem agora com o relato de quem pôde presenciar o show:

“Ele deu sua primeira volta devagar, mas já na segunda estava voando baixo e o pessoal dos boxes começou a balançar as cabeças, pois ele estava indo muito rápido muito cedo. Mas não houve erros na pilotagem, ele foi muito suave e andava cada vez mais rápido.

O pessoal da equipe continuava a balançar suas cabeças, mas agora, com um sorriso em seus rostos. Eu digo a vocês, aquelas pessoas ficaram muito impressionadas. Ele deu um pouco mais de 30 voltas no carro e não mexeu em nenhuma regulagem, no final, virou um segundo mais rápido que Nelson.”
(tradução meia boca esta minha, ok?)

Mears disse que se pudesse fazer algumas alterações no carro conseguiria andar ainda mais rápido, pois não conseguiu dar tudo do carro nas curvas mais lentas. Andou tão bem que até ironizou o BT49, que era equipado com um V8 aspirado, ao contrário de seu Penske turbinado: “A aderência é boa, mas não melhor que os da Penske em curvas rápidas. Ah, outra coisa, isso não tem potência!”, referindo-se a diferença que um turbo faz, mas elogiou muito os freios do carro.

Estava tudo meio que encaminhado para que Mears ocupasse o lugar de Zuniño a partir GP da França, mas o fato não se concretizou em um episódio ate hoje um pouco dúbio. Alto salário? Talvez esteja por aí a resposta. Ao invés de Mears, Bernie Ecclestone preferiu o pagante Hector Rebaque.

Seria uma dupla e tanta, não?

10 comentários:

f1ontemehoje disse...

kkkkkkk a Brabham dando 1 de Hispania: Colocando piloto pagante no lugar de piloto rapido (sim, eu acho o Karun bom). Mas essa história não sabia, belo achado cara, alias sempre tem muitos bom achados por aqui. Imaginando a situação Massa e Alonso e colocando Piquet e Mears no lugar: Piquet, Mears é mais rapido que você, entendeu a mensagem? Piquet: Não, e va se lascar! kkkk abraço

Luiz Aguiar disse...

É impressão minha ou essa Brabham só tem um retrovisor?(5 fotos) Segundo o próprio Piquet não havia até o início dos 90´s uma regra que definisse os retrovisores

Rogerio disse...

Rianov,
Cara, DA ONDE VC TIRAR ESSAS PRECIOSIDADES??
EXCELENTE POST! Uma pena que essa dupla não foi pras pistas...
Será que depois o Piquezão deu o troco, ou o Bernie mandou fechar tudo e ir embora pra casa, já pensando que os dois iam se matar? hehehehe
Abraço!

Arthur disse...

Acho que o Piquet daria o troco nele.

Por mais que o Mears fosse competente.
Piquet é Piquet.

Mas a dupla não daria certo.

E no final,todo mundo saiu feliz.

Piquet brigou pelo título em 80 e foi campeão em 81 pela Brabham de Bernie.

E o Mears ainda foi campeão outras vezes nos EUA.

Só quem se ferrou foi o Zunino...hehehe

Teddy disse...

Bem, o Piquet já tinha demonstrado toda sua capacidade e pilotava para Tio Bernie praticamente " de grátis " ( ou 0800, como se diz aqui no meu Estado ). O Rick Mears poderia ser uma aposta mas... Se desse errado? E se desse certo? Como gerenciar dois pilotos de ponta numa equipe de estrutura mediana como a Brabham. acho mesmo que os dólares pedidos por Mr Mears, enterraram de vez o assunto.

Cristiano disse...

O episódio foi meio dúbio, mas você só citou o salário...
O traçado ainda era o mesmo que a F1 correu em 1960? aliás, consta do statsf1.com que essa pista de Riverside nem existe mais. No google aparecem casas no lugar.

Anônimo disse...

Ô doido, se o Senna, que levou tempo do Piquet no teste com a Brabham, fez o que fez na F-1, imagina o Mears, que colocou tempo no Nelsão....kkkkk

Afonso Sousa

Anônimo disse...

Não sei se aqui é o local certo, mas como tem ha ver com o conteúdo deste tópico, vou deixar a sugestão para um novo tópico: a comparação dos tempos de volta entre os carros da F-1 e F-Indy (na mesma época é claro...)

Lembro de uma vez que a F-Indy correu em Montreal, e comparando os tempos, o pole da Indy foi mais lento que o último classificado da F-1, no caso uma Minardi.

Afonso Sousa

Guilherme disse...

Mears não sabia apenas virar para a esquerda, mestre nos ovais que era, guiava muito.

MORINGA disse...

Esse era o teste p/ Long Beach, 1980? Foi a mesma corrida em que Piquet fez barba, cabelo e bigode (venceu, fez pole e volta mais rápida), confere?