quarta-feira, 1 de outubro de 2008

Eu também já estive por lá: Massimiliano Papis na Footwork

Massimiliano Papis foi bem mais conhecido na Cart, mas também já deu seus bordejos pela F1.
Era a temporada de 95, e Papis, em um troca meramente financeira, veio para substituir Gianni Morbidelli na Footwork. Como a Footwork precisava era de dinheiro, ela trocou Morbidelli, que já havia marcado ponto com a equipe no ano, pelo novato vindo da F3000, Max Papis.
Papis de juntou à equipe à partir do GP da Inglaterra, e ficou por lá até o GP da Europa. Seu companheiro de equipe era o pífio Taki Inoue, e, mesmo assim, Papis, em algumas classificações, levava tempo de Inoue. Na Hungria por exemplo, Inoue colocou 1,2 segundos de frente à Papis na classificação.
Max também não teve muita sorte nos 7 GP's que disputou na F1, depois de uma quebra de suspensão em sua corrida de estreia em Silverstone e de largar para o GP da Alemanha com o cambio quebrado, ele tinha tudo para se dar bem em sua corrida caseira, Monza. Papis vinha se arrastando para completar a corrida da Itália em 6º, quando na última volta, Bouillon da Sauber consegue ultrapassa-lo e o deixa em 7º, não marcando pontos. Para as últimas 3 corridas do ano, Morbidelli volta para a equipe no lugar de Papis e consegue o inimaginável, ele subiu ao pódio na ultima corrida do ano que era despedida de Adelaide da F1.
Papis ganhou o apelido de Mad Max em uma louca 24 horas de Daytona.
Era 96 e Papis vinha com sua Ferrari 333SP toda remendada por fita adesiva, ele estava confortavelmente na 2ª posição quando vê a oportunidade de recuperar a volta que o líder deu sobre ele, Papis sai como maluco, forçando o carro a giros altíssimos, colocando o botão de mistura de combustível no máximo e fazendo voltas mais rápidas em sequência. Resultado: ele consegue retomar a volta de desvantagem, mas tem que para nos pits para um Splash and Go, pois bem, nesta época, ainda não tinha velocidade limite nos boxes e Papis,e, para se segurar na mesma volta do líder, ele entra nos pits a 320 Km/h (!). No final, Papis termina a prova a 64 segundos do líder e na mesma volta.
Mad Max é casado com a filha de Emerson Fittipaldi.


Clique para ampliar. Preferências de Max "the mad" Papis



Em sua apagada carreira na F1, ...



... disputa 7 GPs e não marca nenhum ponto



Daytona 96. Com sua Ferrari movida a Silver Tape, Papis dá uma de maluco ao tentar e conseguir ficar na mesma volta do líder

4 comentários:

Felipe disse...

Rianov eu ainda não recebi a foto.

Deixei o recado aqui pq no seu Orkut não deu.

Grande Abraço

Felipe disse...

Ah! E bela postagem essa do Max Papis, não sabia q tinha sido tão ruim a passagem dele pela F1

Arthur disse...

É verdade,achava que ele tinha sido um pouco melhor.
Levar tempo do Inoue não dá.

Sheldonn Rêis disse...

Eita Mad Max... bom piloto na Cart. Infelizmente não teve a devida chance na F1. Mas mesmo assim foi um grande piloto.